Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Contacto
Dúvidas ou sujestões dicasparapoupar@gmail.com
Newsletter

Escreve aqui o teu e-mail:

Delivered by FeedBurner

23
Mai
16

Desde que criei este blog e me fui “especializando” na arte de poupar que existem muitos produtos que simplesmente deixei de comprar e que podem fazer bastante diferença no orçamento familiar, principalmente porque a maioria deles estão relacionados com a alimentação:

- Pão ralado, antes comprava apenas pão ralado simples e não era nada barato, agora faço pão ralado com alho e ervas (salsa), muito mais barato, mais natural e fica uma delícia

- Rissóis, croquetes e bolos de bacalhau, são fritos e não era algo que comprasse muito, mas de vez em quando, principalmente em festas lá era mais uma despesa, já para não falar que a qualidade dos caseiros é muito melhor e muitas vezes são feitos de sobras, também podem congelar antes de fritar e ter uma refeição pronta em poucos minutos.

- Bifes panados – Simplesmente já não compro, basta um bife, ovo e pão ralado bem caseiro para ter bifes prontos a panar e são ótimos para uma refeição rápida, até descobri uma versão sem ovo, boa para alérgicos ao ovo.

- Lasanha – Por vezes comprava para uma refeição rápida, daquelas lasanhas pré-feitas, mas desde que comecei a fazer caseiras nunca mais quis das outras, para além de ser comida processada, é em muito inferior à caseira. Pode demorar um pouco mais de tempo, mas compensa pelo sabor e qualidade, quem quiser também pode preparar previamente e congelar para utilizar posteriormente, comecei pela lasanha bolonhesa, mas agora tenho feito mais de frango, é a preferida.

- Pizzas – Desde que comecei a fazer pizzas caseiras que não comprei mais daqueles que antes comprava, congeladas ou frescas para depois aquecer no forno ou no micro-ondas, são mais rápidas mas de qualidade inferior, nas caseiras podemos colocar tudo o que nos apetecer e sabemos exatamente o que leva, para uma refeição mais rápida podemos sempre fazer umas mini-pizzas com pão de forma. Muito raramente compro umas feitas em forno a lenha a um Sr. que vende numa carrinha, que são simplesmente uma delícia, mas neste momento não como há mais de 6 meses.

- Bolos – Quando havia uma festa era um dinheirão que gastava em bolos, agora faço sempre um bolinho caseiro, seja qual for a ocasião, podem não ser tão bonitos como os de compra, ainda não sou nenhuma pasteleira profissional, mas são com certeza mais saudáveis e naturais e muito mais económicos também.

- Biscoitos e bolachas – Bolachas só compro bolacha maria para fazer de vez em quando um bolo de bolacha, de resto fazemos bolachinhas e biscoitos caseiros.

- Doces e compotas – Para aproveitar fruta ou legumes de sobra comecei a fazer alguns doces e compotas, que ficam uma delícia, assim muito raramente compro, na época da fruta prefiro comprar fruta a bom preço e fazer o meu próprio doce. O mesmo com a marmelada.

Bem e deve haver mais algumas coisas que deixei de comprar, outras que simplesmente nunca comprei, e assim conseguimos poupar centenas de euros. Principalmente comida processada ou serviço de take away é algo que não se utiliza cá por casa, a comida caseira além de ficar mais barato é também mais saudável porque sabemos o que comemos.

 

publicado por Rosa Cristiana* às 08:30
31
Mar
16

certificacaoenergetica.jpg

 

Calculo que até mesmo os mais ricos gostem de poupar, apesar de não perderem muito tempo a fazer contas à vida. Por isso, para bem de todas as famílias e respetivas carteiras, reuni algumas dicas que até podem parecer insignificantes mas que podem, efetivamente, ajudar a poupar na conta de eletricidade. A primeira tem a ver com a certificação energética. Já tem o certificado?

É que ao mandar fazer a certificação energética da sua habitação terá não só acesso à avaliação da eficácia energética atual, como também a medidas de melhoria para reduzir o consumo, fornecidas por peritos especializados. Neste caso seria uma vantagem para identificar gastos e descobrir o há de errado na sua casa, potenciando economias de 20 a 40%, que resultam numa clara redução de fatura.

 

Vejamos então dicas concretas:

 

  1. Escolha eletrodomésticos da classe A, A+ ou A++. O tipo de eletrodomésticos que escolhe para a sua casa é determinante na conta da eletricidade ao final de cada mês, contribuindo inclusivamente para a eficácia avaliada na certificação energética. Opte pelos que têm etiqueta energética da classe A, A+ ou A++, pois o consumo de energia é bastante inferior em relação aos modelos de classes mais baixas.
  2. Utilize as tarifas bi-horárias. Paga quase metade do preço normal se utilizar os eletrodomésticos nas horas do vazio, regra geral, entre as 22 e as 8 horas.
  3. Não deixe os seus aparelhos em stand-by. Para poupar na conta da eletricidade é fundamental desligar completamente televisões, computadores, DVDs, carregadores de telemóveis, etc., pois o consumo em stand-by não é assim tão baixo como pensa.
  4. Troque as lâmpadas incandescentes e de halogénio. Opte pelas economizadoras, que reduzem até 80% o consumo de energia elétrica em iluminação, aumentando a eficácia que é avaliada na certificação energética e podendo poupar até 2,1% no consumo de eletricidade.
  5. Apague as luzes. Evite deixar luzes acesas em espaços que não está a utilizar ou em espaços vazios.
  6. Veja se tem lâmpadas limpas. Verifique a limpeza do sistema de iluminação, pois uma lâmpada limpa é mais luminosa e eficiente.
  7. Modere o aquecimento. Não aqueça a casa mais do que o necessário. Se descer dois graus na temperatura habitual não vai notar grande diferença e permitirá poupar na conta da eletricidade. Procure também ver como está o isolamento térmico da casa. Neste caso, os peritos da certificação energética poderão ser uma grande ajuda.
  8. Tenha atenção ao frigorífico. É certo que o frigorífico tem de estar sempre ligado, mas se o colocar junto a uma fonte de calor ou num local exposto ao sol vai estar a aumentar o consumo energético. Assim, coloque-o num local fresco e ventilado, ajuste o termostato entre os 4 e os 7 graus no compartimento do frigorífico e -18ºC no congelador, deixando os alimentos arrefecer antes de os colocar no seu interior. Descongele-o também regularmente, antes que a camada de gelo atinja os 3 milímetros de espessura, pois o gelo também aumenta o consumo. Mais uma vez escolha os frigoríficos da classe A, A+ ou A++, que permitem poupar até 60% de energia.
  9. Utilize programas económicos das máquinas de lavar. No que diz respeito à loiça, use o programa normal apenas quando a loiça está muito suja, optando sempre que possível pelos programas económicos (50ºC a 55ºC). Tenha a mesma filosofia para a roupa: as máquinas hoje em dia já lavam bem a temperaturas baixas. Espere também até ter roupa para encher uma máquina.
  10. Controle o uso do forno elétrico. Os fornos hoje em dia raramente precisam de pré-aquecimento, pois já aquecem rápido. Utilize a função grill só quando for absolutamente necessário, pois consomem até duas vezes mais, cozinhe em recipientes apropriados, feche bem a porta, aproveite ao máximo a capacidade cozinhando o maior número de alimentos possível de uma só vez e desligue o forno cerca de 5 minutos antes das refeições mais demoradas estarem terminadas.

Foto de livre utilização (pixbay)

publicado por Rosa Cristiana* às 08:56
07
Jan
16


9366088_VwMpy.png 

Um ano novo que se inícia, depois de definir os objetivos, entre eles está sempre implícita a poupança, como não podia deixar de ser.

Assim hoje deixo-vos uma sugestão para que consigam um ter "um pé de meia" no final do ano.

Existem várias formas de poupar, com os salários baixos e muitas despesas, colocar dinheiro de lado todos os meses é cada vez mais um desafio.

No início de cada ano, tenho visto em vários blogs a sugestão de cumprir o desafio das 52 semanas, que consiste em colocar num mealheiro todas as semanas do ano o valor correspondente ao número da semana, semana 1, 1€, semana 5, 5€, semana 51, 51€, semana 52, 52€. O valor que se consegue poupar é muito convidativo, 1.378,00€, mas é também um desafio muito díficl de cumprir pela maioria das famílias, mesmo com algumas adaptações à realidade de cada um.

Assim convido-vos a fazer um desafio diferente, mais fácil de cumprir, para conseguirem um pé de meia em 2016, é sempre importante ter algum valor de lado para imprevistos:

Guardarem no início de todos os meses 10% do rendimento mensal

Também este desafio pode ter várias adaptações à realidade de cada um:

- Optei por indicar no início do mês, porque, se tiverem um salário fixo é a altura ideal para colocar esse valor de lado, pois infelizmente muitas famílias chegam ao final do mês com saldo zero ou negativo.

- Se vos vai fazer falta esse valor? Aí está o espírito do desafio, fazer um pequeno esforço para o conseguir cumprir, fazendo pequenos "cortes" que se traduzirão em poupança, não faltam dicas aqui no blog para isso.

- Se o vosso salário não for fixo, podem optar por estipular um valor igual para colocar de lado todos os meses, dentro das vossas possibilidades.

- Se conseguirem colocar mais a meio do ano ou no fim, o objetivo poderá ficar cumprido ainda mais cedo :)

- Fazendo umas continhas rápidas, fazendo contas ao salário mínimo, 10% de 500€ dá 50€ por mês, que multiplicado pelos 12 meses do ano dá 600€, não é uma poupança tão alta como a que referi em cima, mas grão a grão enche a galinha o papo e penso que será bem mais fácil de cumprir

- Se forem um casal e conseguirem colocar de lado 50€ por cada um já dará 100€ por mês, 1.200€ por ano.

- Afinal não vale propormo-nos a um objetivo que sabemos à partida que não conseguimos cumprir, é desmotivante

Quem alinha em participar neste desafio? Um pé de meia para 2016? 

publicado por Rosa Cristiana* às 09:48
04
Jan
16

Início do ano é altura ideal para definirmos os nossos objetivos para o novo ano que agora se inicia.

 

O ideal é definir objetivos o mais concretos possível e que consigamos cumprir.

Aqui ficam alguns dos meus objetivos para 2016:

- Ser feliz e fazer os outros felizes (inclui ser mais solidária)

- Poupar mais na alimentação, aproveitando sempre as sobras e eliminando o desperdício alimentar com novas ideias de sobras e congelando também o que não vou usar de imediato.

- Fazer finalmente o planeamento das refeições através de menus semanais ou quinzenais, tendo em conta o que tenho em casa (inventário do congelador e da despensa) e os folhetos semanais (que vou acompanhando no Sapo Promos).

- Manter uma alimentação mais saudável, eliminando mesmo alguns alimentos prejudiciais (no último ano não consumi refrigerantes e tenho-me sentido muito bem), sumos apenas bem caseirinhos.

- Reutilizar mais evitando também desperdício de vários materiais que utilizamos diariamente (fazendo alguns projetos diy que já tenho em mente).

- Escrever mais no blog e partilhar mais as minhas experiências pessoais de poupança.

E vocês já definiram os objetivos para este novo ano? Partilhem as vossas ideias e objetivos.

E Boas Poupanças 

publicado por Rosa Cristiana* às 08:55
31
Dez
15

Já estamos em contagem decrescente para o novo ano, assim aqui ficam os meus votos para o ano de 2016 que se avizinha.

Desejo a todos um excelente ano de 2016, que seja um ano de vitórias, paz, saúde e muito amor, é o essencial, o resto tudo se conquista com preserverança, esperança e muita força de vontade. Muitas poupanças também para 2016.

Nunca desistam dos vossos sonhos!

Que em 2016 consigam concretizar todos os vossos sonhos!

UM FELIZ 2016 para todos :)

publicado por Rosa Cristiana* às 19:34
14
Out
15

Gosto muito da broa de milho e centeio que normalmente fazemos, mas pretendia fazer um pão diferente, mais parecido com o que habitualmente compramos na padaria.

Já tinha visto a receita do Artisan Bread à muito tempo no Pão, Bolos & Cia, mas faltava-me uma taça grande para o poder guardar no frigorífico.

Entretanto comprei a taça com capacidade de cerca de 5 litros e pus mão à obra.

Ingredientes:

- 1 colher (sopa) de fermento biológico seco (usei 15g de fermento fresco)
- 1 colher (sopa) de sal grosso
- 700ml de água
- 1kg de farinha de trigo T65

 

Modo de preparação:

Numa taça plástica com tampa, comprei uma com capacidade de 5 litros especialmente para isso. Com um pouco da água morna desfazer o fermento e o sal, acrescentar a restante água, adicionar a farinha e incorporar bem com a ajuda de uma colher de pau.

Deixar levedar fora do frigorífico tapado durante 2 horas, ou seja, à temperatura ambiente.

Passadas as duas horas a massa está pronta a ser usada ou então podem colocá-la no frigorífico onde a poderão manter por mais de uma semana (o máximo que mantive a massa foi uma semana, mas já existem relatos com mais tempo e fica boa à mesma, com o tempo fica apenas um pouco mais ácida)

Quando quiserem usar, basta polvilhar a massa com um pouco de farinha, puxar a quantida desejada e cortar com uma faca de serrilha.

Depois colocar numa superfície bastante enfarinhada, podem usar sêmola de milho ou farinha de milho (ou simplesmente trigo) e tende-se uma bola amassando o mínimo possível, rodando a massa e virando para baixo as bordas.
Colocar sobre a pedra enfarinhada ou numa pá de forno e deixar levedar 40min. destapado (eu coloquei diretamente num tabuleiro que levei ao forno porque ainda não tenho a base de terracota).

Pré-aquecer o forno cerca de 20min. antes, a 230ºC, com a base de terracota e o tabuleiro para a água.

Polvilhar o pão com farinha e com uma faca bem afiada fazendo uns golpes de decoração (cruz, xadrez, zebra).
Com uma espátula/pá grande levantar o pão e colocar a massa sobre a pedra e juntar 1 chávena de água quente ao tabuleiro quente (não fiz esta parte mas também ficaram bonitinhos).
Levar ao forno cerca de 30min. a 180-200ºC, até que esteja douradinho. 

Retirar e deixar arrefecer sobre uma grelha ou comer ainda quentinho com manteiga a derreter 

Custo: 0,50€ e deu para 4 pães bem grandinhos (tipo broa), feitos em alturas diferentes :)

Aqui podem ver como estava a massa ao final de 2 horas a levedar.

11657284_965594380137554_1073921023_n.jpg

E aqui estão os meus pães, na última já prontinhos para levar manteiguinha 

11122440_974081949288797_41066048_n.jpg11780551_10153394987889017_1141715783_n.jpg11751381_10153394989069017_251001503_n.jpg

Bom apetite :)

publicado por Rosa Cristiana* às 14:44
30
Set
15

Já tinha visto vários anúncios deste site, mas apesar de estar inscrita nunca liguei muito, até que na semana passada abri um e-mail que enviam diariamente e encontrei vários produtos que podiam interessar entrei nas vendas e achei os preços muito interessantes, por isso ponderei comprar.

Sem Título.png

 

 

Mais contente fiquei quando vi que poderia ter também portes grátis pela primeira encomenda e decidi arriscar, assim fiz a primeira encomenda, em breve darei novidades do decorrer da encomenda :)

Para já tudo correu bem, existem vários métodos de pagamento como MB que achei muito útil pois muitos dos sites só aceitam cartões e crédito ou eventualmente Paypal.

Aproveitem também as promoções do Showroomprive.pt.

Há também uma nova promoção em que ganham 20€ em compras por amigo convidado, por isso aproveitem, apenas até 7 de Outubro.

P.S. Para terem oferta de portes na 1ª encomenda, coloquem o código BOLINHA ao fazer a encomenda.

publicado por Rosa Cristiana* às 08:14
04
Ago
15

Principalmente para quem tem crianças, a compra de gelados no verão é inevitável (a não ser que optem por fazer gelados caseiros, mas esse será um assunto para outro dia, pois ainda não consegui comprar as formas para fazer os benditos gelados, aqui é difícil encontrar) e pode ser uma conta muito alta no final das férias.

Por isso a minha dica de hoje passa por comprar os gelados nos super e hipermercados que ficam a cerca de 1/4 do preço dos cafés / padarias, pastelarias e são igualmente deliciosos quando não são melhores ainda.

Muitos de vocês já o fazem certamente, mas nunca é demais lembrar esta solução simples e bem poupadinha.

Mesmo que as férias sejam distantes de casa, podem comprar num supermercado próximo e guardar no congelador da casa alugada (ou hotel, caso disponha), quando não há simplesmente essa hipótese, podem sempre fazer uma vaquinha durante o ano para os gelados do verão (educar a poupar desde pequenos).

Pessoalmente considero os gelados mais deliciosos e mais económicos, os do LIDL e não serei a única a achar isso pela partilha da Revista Sábado como podem ver aqui e por várias opiniões que tenho visto.

Esta semana aparecem no folheto semanal vários gelados, que combinados com os vales de desconto da revista Mais do LIDL, que custa apenas 0,49€ ficam a um preço ainda mais convidativo por isso aqui fica a partilha para os mais distraídos :)

transferir.jpg11802189_10153412167074017_1436595069_n.jpg

Litle Ranger: 2,09€ - 1€ (vale de desconto) = 1,09€ ou seja menos de 0,10€ cada

Space Runners: 1,39€ - 0,80€ (vale de desconto) = 0,59€ ou seja menos de 0,06€ cada gelado

Mini Mix de Fruta: 2,85€ - 1€ (vale de desconto) = 1,85€ ou seja 0,15€ o gelado

Gelado Cone: 1,99€ - 0,50€ (vale de desconto) = 0,25€ cada um

E temos também o Classic e o Choco Crisp a 0,43€ e 0,45€ cada

Todos os gelados a menos de 0,50€ cada um, excelente preço não acham?

Boas poupanças :)

publicado por Rosa Cristiana* às 09:00
21
Jul
15

Bem toda a gente sabe fazer salada de fruta certo?

Por isso acho uma autêntica maluqueira estar aqui a publicar uma receita de salada de fruta, mas como esta foi diferente, decidi partilhar a minha experiência.

Normalmente fazemos salada de fruta utilizando as frutas em calda das quais também adicionamos a calda e depois juntamos pedaços de outras frutas, desta forma não precisamos de adicionar qualquer sumo, colocamos apenas um pouco de vinho do porto, quando não há crianças claro.

Mas desta vez tínhamos bastantes morangos oferecidos por uma vizinha e pêssegos madurinhos e deliciosos, tudo biológico, por isso não iríamos usar o sumo de lata, teríamos que arranjar algum outro molho para a nossa salada de fruta.

A solução passou por adicionar à salada sumo de laranja, também biológica, mas sem exagero para não saber em demasia, não adiciconámos açúcar porque já as frutas já eram doces.

E assim ficámos com uma salada de fruta 100% natural, a custo zero :)

Porque toda a fruta foi toda oferecida por vizinhos e familiares :) 

11212456_10153394990664017_1677428961_n.jpg 

E vocês já fizeram alguma experiência deste género?

 

publicado por Rosa Cristiana* às 09:35
26
Jun
15

Desde alguns meses para cá começámos a fazer o nosso próprio pão.

Optámos por fazer broa por ser mais prático, durar fresca durante mais tempo e porque assim não iríamos gastar luz pois seria cozido no forno a lenha, mas também poderão fazer no forno eléctrico.

Nunca tinha amassado broa, já tinha feito alguns folares da Páscoa, mas a broa tem outros segredos e até a consistência final fica um pouco diferente, por isso foi uma verdadeira aventura quando certo dia em conversa com uma vizinha pusemos a hipótese de fazer broa, já tínhamos farinha de trigo e de centeio, só faltava mesmo a de milho, cujo problema se resolveu moendo o milho que tínhamos em casa e peneirando. Normalmente a farinha usada pela vizinhança é de milho branco, mas como só tínhamos milho amarelo foi dessa que usámos e a experiência foi tão positiva que ainda se mantém a receita.

O próximo passo era arranjar uma receita, a que encontrei e me pareceu mais interessante foi esta, mas decidimos desde logo dobrar a receita, mais tarde fiz algumas alterações e achámos que ficou melhor, por isso a receita final é um pouco diferente:

Ingredientes:

2 kg de farinha de milho

2 kg de farinha de centeio

2 kg de farinha de trigo tipo 65

100g de sal

80g de fermento

cerca de 3 litros de água a ferver

cerca de meio litro de água morna

 

Modo de preparação:

O adequado seria usar uma masseira ou uma gamela de madeira para amassar o pão, mas como ainda não encontrámos nenhuma ao nosso gosto continuamos a amassar numa bacia grande de plástico e tem funcionado bem. Colocar apenas a farinha de milho e ir adicionando a água a ferver até envolver e escaldar toda a farinha, com a ajuda de uma colher de pau (cuidado para não se escaldarem, a água tem que estar mesmo a ferver), tapar com um pano e deixar repousar um pouco.

Misturar o sal numa chávena com água a ferver e dissolver bem. Noutra taça dissolver o fermento num pouco de água morna (ter atenção que água muito quente mata o fermento).

Juntar as outras farinhas à farinha de milho escaldada e misturar bem, abrimos um buraco no meio e adicionar a água do fermento e do sal que entretanto também já arrefeceu um pouco. Depois é só amassar bem até ficarem todas as farinhas incorporadas e ir adicionando água até a massa ficar a consistência correcta, fica sempre um pouco húmida e a agarrar nas mãos, quando estiver amassada, separar das paredes da bacia (gamela ou masseira), polvilhar com um pouco de farinha de trigo, batendo em toda a volta, para que a massa deixe de agarrar às mãos e desenhar uma cruz na massa (apesar de não sabermos a receita esta é uma tradição antiga e é sempre cumprida). Tapar com um pano e deixar levedar. A massa está pronta quando tiver "estalada" bastante. Não sei precisar o tempo, nós vamos dando uma olhadela de vez em quando e com o tempo quente leveda mais rápido.

Para levar ao forno também existem alguns segredos. Tiramos porções de massa com a ajuda de um prato  e colocamos numa taça redonda previamente polvilhada com farinha (usamos uma tendedeira de madeira) e tender a massa, ou seja, atiramos ao ar algumas vezes. Depois levamos ao forno, pode ser colocada uma couve por baixo, ou colocar sem nada (para isso o forno é bem limpo de cinza e brasas com um vassouro molhado feito de ramos de carqueja), repetir o processo até terminar a massa.

Deixamos no forno cerca de meia hora até estarem cozidas. A maioria das vezes também optamos por fazer uma bôla com chouriço com sardinha, uma delícia.

Podem optar por fazer metade da receita e também pode ser cozido em forno eléctrico, pré-aquecido a 200ºC durante cerca de 35 minutos.

Tem ficado sempre muito bom e uma broa conserva-se durante cerca de uma semana sem ficar dura, agora no verão colocamos no congelador para que não se estrague e vamos tirando.

Em breve terei outras aventuras no mundo do pão caseiro.

Custo: Esta receita tem um custo de 3,00€ e rende entre 7 a 10 broas, depende do tamanho. Dá algum trabalho mas o resultado final é muito compensatório 

11651073_966701126693546_2101720392_n-horz.jpg

 

Bom apetite :)

publicado por Rosa Cristiana* às 09:00
mais sobre mim
Dica da Semana

Publicidade
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO