Abril 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Contacto
Dúvidas ou sujestões dicasparapoupar@gmail.com
Newsletter

Escreve aqui o teu e-mail:

Delivered by FeedBurner

21
Abr
16

A revista da Deco Proteste é uma revista da associação de apoio ao consumidor e tem sempre imensas dicas de poupança e alguns comparativos de preços de produtos de acordo também com a sua qualidade, bem como apoio jurídico para assuntos relacionados com a defesa do consumidor.

 

Podem receber durante dois meses a revista Deco Proteste, uma revista Teste Saúde e outra Dinheiros&Direitos a um custo muito baixo, por apenas 5€ e receber gratuitamente um smartphone.

 

Basta clicar na imagem abaixo e fazer o registo, a Deco vai solicitar o NIB para o pagamento dos 5€ sem qualquer compromisso, recebendo a oferta de boas vindas: Um Smartphone.

Aqui ficam as principais características do smartphone:

Já recebi algumas ofertas anteriores da Deco Proteste, a custo zero ou quase como podem ver aqui. Recebi também mais recentemente um Tablet.

publicado por Rosa Cristiana* às 08:58
19
Abr
16

Já partilhei mais que uma receita de pão ralado caseiro, feito com sobras de pão torrado ou simplesmente com tostas (como habitualmente faço, porque raramente temos sobras de pão).

No entanto sei que com o stress do dia-a-dia nem sempre conseguimos fazer o pão ralado para a receita pretendida, sejam bifes panados, croquetes, rissóis, filetes, etc.

No outro dia fiz pão ralado a mais e cheguei à conclusão que o pão ralado fica ainda melhor quando feito com atencedência e guardado num frasco fechado ou num tupperware, assim já não há desculpa.

Num dia que tenham um pouco mais de tempo aproveitem, conforme esta receita, que é a mais habitual cá em casa por ser muito mais saborosa que a simples, picar na picadora tostas, alhos e salsa (ou outras ervas a gosto).

Depois basta colocar num frasco e guardar para futuras utilizações, pode ser guardado à temperatura ambiente durante muito tempo que não se estraga.

Eu aproveitei para reutilizar um frasco do mel.

Assim temos pão ralado caseiro bem melhor e mais barato que o de compra para qualquer altura.

Quem já experimentou este pão ralado?

13059518_1130160197014304_1273237916_n.jpg

publicado por Rosa Cristiana* às 08:35
04
Abr
16

Finalmente chegou o prazo para entrega do IRS e tentar receber, mesmo que seja pouco, o que o estado nos levou...

irs 2015.png Ao longo do ano passado fui conferindo as despesas para custar menos este ano, os prazos para conferir tudo e reclamar já foram ultrapassados, por isso as despesas que agora estão no site são as que contam.

Este ano, relativo a 2015, ainda podem optar por utilizar as despesas do e-fatura ou inserir todas as vossas despesas manualmente.

No próximo ano não haverá essa opção, por isso o melhor é ir conferindo as despesas ao longo do ano.

Por cá, esperávamos receber um valor mais próximo da totalidade que pagámos, mas ficou muito aquém das expectativas, esperamos que no próximo ano hajam mais vantagens 

Aqui ficam algumas dicas para o preenchimento e envio do IRS:

- Se normalmente preferem fazer logo no site, alerto para que não o conseguiram se normalmente usarem o Google Chrome (podem ver o aviso no site).

- Eu pessoalmente prefiro descarregar a aplicação, sempre o fiz, peço a declaração com o pré-preenchimento, confirmo os dados, os rendimentos, as despesas, coloco um NIF de uma associação da minha cidade, para consignação do IRS, uma ajuda sem qualquer custo para nós, podem ver no site das finanças as instituições abrangidas, faço simulação e envio.

- Este ano podem optar por oferecer também o valor relativo à dedução de 15% do IVA de faturas de reparação automóvel, cabeleireiros e despesas com restaurantes e hotelaria, mas neste caso já não recebem esse valor.

- No preenchimento, este ano existem pequenas alterações que é importante ter atenção:

1. Este ano em caso de serem casados ou unidos de facto, têm que decidir se querem a tributação conjunta (com todos os NIFs do agregado familiar, incluindo filhos) ou se preferem a tributação separada. Poderão simular ambas as situações para verificarem a mais vantajosa, é importante simular porque podem estar a perder centenas de euros.

2. Para assumirem as deduções à coleta corretamente, não se podem esquecer de adicionar o Anexo H, em caso de terem encargos com imóveis (juros de empréstimo ou renda) não se esqueçam de preencher os dados do imóvel e o NIF do mutuante / locador no quadro 7 (será o NIF do banco ou do arrendatário, podem confirmar esse NIF nas despesas que aparecem no site das finanças).

3. As despesas de saúde, educação, encargos com imóveis ou lares não aparecem à vista, no entanto no quadro 6C do Anexo H poderão dizer se pretendem utilizar os dados do e-fatura - opção não (agora conseguem ver as despesas no site do IRS) ou inserir todas as despesas manualmente - opção sim (não se esqueçam que se optarem por inserir manualmente, só contaram as despesas que colocarem manualmente, assim terão que adicionar todas, mesmo as gerais familiares e guardar os documentos durante 4 anos).

4. No caso de optarem por inserir as despesas manualmente por considerarem que as que aparecem no site não estão corretas e não terem verificado essa situação dentro dos prazos devem ter atenção se não estão a cometer nenhum erro:

- As despesas de saúde que contam são apenas as com taxa de 6%, ou eventualmente com taxa de 23% desde que tenham receita médica (essa confirmação é solicitada no site e-fatura).

- As despesas de educação entram apenas sem IVA ou IVA a 6%, despesas com transportes públicos ou alojamento não entram.

- As despesas de rendas ou juros com imóveis, só são dedutíveis no caso de ser habitação permanente, se no contrato de arrendamento não tiver essa informação correta ou não tiverem a mesma morada regista no site das finanças não é considerado, se tiverem mais que um empréstimo de habitação só contará o da habitação permanente. Os juros dos empréstimos só contam relativos a contratos celebrados até 31/12/2011.

- As despesas com lares são apenas as despesas com lares de idosos ou instituições semelhantes de ascendentes que tenham a vosso encargo.

- No caso das despesas para a dedução de IVA, não devem tentar inserir faturas em categorias a que não correspondem, mesmo que possam alterar no site a categoria (incluindo por exemplo combustível e seguros de carros em manutenção automóvel), estão a errar e a enganar as finanças (não é solução, porque a multa pode custar bem caro, a entrega do IRS não é brincadeira).

- No caso de serem casados ou unidos de facto e optarem pela entrega em separado, alterando os valores pré-preenchidos, devem inserir a totalidade das despesas de cada um e também a totalidade das despesas dos dependentes (e não metade).

5. Certamente que também já se perguntaram onde estão as depesas gerais familiares e a dedução dos 15% do IVA, essas despesas não as vêm no Anexo H mas são contabilizadas, aliás ao fazerem a simulação já aparecem descontadas, caso optem por utilizar os valores do e-fatura, se não terão que inserir todas manualmente.

Para confirmar que estão a ser bem contabilizadas basta somarem os valores do E-fatura (agora Portal das Finanças) e verificar se o valor das deduções à coleta é igual, pode ser superior em caso de terem dependentes, ascendentes ou outras situações, podem ver neste ficheiro as deduções em cada situação.

publicado por Rosa Cristiana* às 12:26
31
Mar
16

certificacaoenergetica.jpg

 

Calculo que até mesmo os mais ricos gostem de poupar, apesar de não perderem muito tempo a fazer contas à vida. Por isso, para bem de todas as famílias e respetivas carteiras, reuni algumas dicas que até podem parecer insignificantes mas que podem, efetivamente, ajudar a poupar na conta de eletricidade. A primeira tem a ver com a certificação energética. Já tem o certificado?

É que ao mandar fazer a certificação energética da sua habitação terá não só acesso à avaliação da eficácia energética atual, como também a medidas de melhoria para reduzir o consumo, fornecidas por peritos especializados. Neste caso seria uma vantagem para identificar gastos e descobrir o há de errado na sua casa, potenciando economias de 20 a 40%, que resultam numa clara redução de fatura.

 

Vejamos então dicas concretas:

 

  1. Escolha eletrodomésticos da classe A, A+ ou A++. O tipo de eletrodomésticos que escolhe para a sua casa é determinante na conta da eletricidade ao final de cada mês, contribuindo inclusivamente para a eficácia avaliada na certificação energética. Opte pelos que têm etiqueta energética da classe A, A+ ou A++, pois o consumo de energia é bastante inferior em relação aos modelos de classes mais baixas.
  2. Utilize as tarifas bi-horárias. Paga quase metade do preço normal se utilizar os eletrodomésticos nas horas do vazio, regra geral, entre as 22 e as 8 horas.
  3. Não deixe os seus aparelhos em stand-by. Para poupar na conta da eletricidade é fundamental desligar completamente televisões, computadores, DVDs, carregadores de telemóveis, etc., pois o consumo em stand-by não é assim tão baixo como pensa.
  4. Troque as lâmpadas incandescentes e de halogénio. Opte pelas economizadoras, que reduzem até 80% o consumo de energia elétrica em iluminação, aumentando a eficácia que é avaliada na certificação energética e podendo poupar até 2,1% no consumo de eletricidade.
  5. Apague as luzes. Evite deixar luzes acesas em espaços que não está a utilizar ou em espaços vazios.
  6. Veja se tem lâmpadas limpas. Verifique a limpeza do sistema de iluminação, pois uma lâmpada limpa é mais luminosa e eficiente.
  7. Modere o aquecimento. Não aqueça a casa mais do que o necessário. Se descer dois graus na temperatura habitual não vai notar grande diferença e permitirá poupar na conta da eletricidade. Procure também ver como está o isolamento térmico da casa. Neste caso, os peritos da certificação energética poderão ser uma grande ajuda.
  8. Tenha atenção ao frigorífico. É certo que o frigorífico tem de estar sempre ligado, mas se o colocar junto a uma fonte de calor ou num local exposto ao sol vai estar a aumentar o consumo energético. Assim, coloque-o num local fresco e ventilado, ajuste o termostato entre os 4 e os 7 graus no compartimento do frigorífico e -18ºC no congelador, deixando os alimentos arrefecer antes de os colocar no seu interior. Descongele-o também regularmente, antes que a camada de gelo atinja os 3 milímetros de espessura, pois o gelo também aumenta o consumo. Mais uma vez escolha os frigoríficos da classe A, A+ ou A++, que permitem poupar até 60% de energia.
  9. Utilize programas económicos das máquinas de lavar. No que diz respeito à loiça, use o programa normal apenas quando a loiça está muito suja, optando sempre que possível pelos programas económicos (50ºC a 55ºC). Tenha a mesma filosofia para a roupa: as máquinas hoje em dia já lavam bem a temperaturas baixas. Espere também até ter roupa para encher uma máquina.
  10. Controle o uso do forno elétrico. Os fornos hoje em dia raramente precisam de pré-aquecimento, pois já aquecem rápido. Utilize a função grill só quando for absolutamente necessário, pois consomem até duas vezes mais, cozinhe em recipientes apropriados, feche bem a porta, aproveite ao máximo a capacidade cozinhando o maior número de alimentos possível de uma só vez e desligue o forno cerca de 5 minutos antes das refeições mais demoradas estarem terminadas.

Foto de livre utilização (pixbay)

publicado por Rosa Cristiana* às 08:56
21
Mar
16

contadoreselectricos-tile_.jpg

 

Foi mesmo por acaso que encontrei estas listas onde constam todos os contratos que terão cauções a receber.

Vi uma informação onde indicava que o prazo para os pedidos de devolução de cauções de eletricidade, gás canalizado e água tinha sido prorrogado até 31 de Julho de 2016, assim decidi procurar mais informações sobre o assunto, pois pensei que os meus sogros pudessem ter pago essa caução, mas não tínhamos o número de contrato.

Foi nessa altura que descobri estas informações no site da EDP e da GALP, por falta de tempo não as partilhei logo, mas ainda vou a tempo.

Não sabem do que se trata?

Em contratos de eletricidade, água e gás canalizado celebrados antes de 1999 eram exigidas cauções. Algumas foram devolvidas através da dedução da caução na fatura ou da devolução através do NIB, para quem tinha pagamento por débito direto, mas muitas delas ainda não foram devolvidas aos consumidores.

Existem cerca de 18 milhões de euros em cauções que estão por devolver aos clientes, essas cauções tem que ser solicitadas à Direcção Geral do Consumidor para poderem ser recebidas, assim verifiquem se não tem nenhum contrato mencionado nas listas abaixo.

Nos links abaixo encontram as listas com os números de contrato que tenham cauções a receber, aparece o nome e o número do contrato, por uma questão de privacidade não aparecem os números de contribuinte.

Lista de contratos de eletricidade EDP

Lista de contratos de gás canalizado EDP

Lista de contratos de gás canalizado Galp

No caso das cauções de água, devem consultar a vossa autarquia para saber a lista dos contratos que têm cauções por devolver.

Se não tiverem o número de contrato por já ser muito antigo, entrem em contacto com a empresa ou autarquia com quem tinham contrato e peçam o número de todos os contratos que estiveram em nome da pessoa em questão, podem necessitar da morada a que se refere o contrato, por isso reúnam o maior número de dados possível, tendo o número do contrato é mais fácil pesquisar na lista e saber se terão direito a receber alguma caução.

Importante:

- Só receberá caução quem a tiver pago e não lhe tiver sido restituída o valor restituído é exatamente o valor pago, se pagaram 1000$, agora só receberão 5€, no entanto tem havido casos de pessoas que já receberam 500€ ou mais de caução, tudo depende do valor que foi pago aquando da celebração do contrato.

- Seja o valor que for é vosso e têm o direito de o receber

- Se já fizeram o pedido de devolução das cauções e o vosso nome e contrato aparecem na lista, não precisam de o fazer novamente, serão contactados pela DGC.

- Se o vosso nome e número de contrato aparece na lista devem pedir ao fornecedor em questão a respetiva declaração comprovativa do direito à devolução da caução e depois enviar o pedido para a Direcção Geral do Consumidor acompanhada dos vossos dados e NIB para devolução do valor, podem obter mais informações aqui, aqui e aqui.

- Se o vosso nome não aparece na lista, não vale a pena pedir a devolução da caução pois não terão nada a receber, ou não pagaram caução ou já a receberam anteriormente

Partilhem a informação, o vosso nome pode não constar nas listas, mas pode constar de vizinhos, amigos ou conhecidos, partilhem para chegar ao maior número de pessoas e se conhecerem as pessoas ou empresas cujo nome aparece nas listas façam-lhe chegar esta informação para que o maior número de pessoas possível possa receber a sua caução, como já referi o valor pode ser superior a 500€.

publicado por Rosa Cristiana* às 11:01
25
Fev
16

Tenho estado bastante ausente nos últimos dias, assim ficam alguns dos objetivos de 2016 que já não estão a ser cumpridos, mas o futuro prevê dias melhores e com mais tempo :)

No entanto, não tenho deixado de fazer boas refeições e algumas sobremesas pelo meio, cá fica mais uma bem deliciosa.

Desde que vi esta receita no blog da Laranjinha tive a certeza que a iria fazer.

Então aproveitei que tinha um resto de côco que estava a terminar a validade e fiz a receita, com algumas alterações.

Ingredientes:

6 ovos grandes

2 copos de açúcar

1 lata de ananás em calda (usei das grandes) 8 rodelas

3 copos de farinha com fermento

1 copo e meio de côco ralado

1 copo da calda de ananás

 

Modo de preparação:

Separar as gemas das claras, bater bem as gemas com o açúcar, juntar o ananás desfeito em pedaços muito pequenos, o coco ralado, a farinha e a calda de ananás, bater tudo muito bem.

Bater as claras em castelo e juntar ao preparado anterior suavemente.

Levar a cozer no forno pré-aquecido a 180ºC numa forma untada com manteiga e polvilhada com um pouco de farinha.

Se quiserem podem regar com um pouco de calda de ananás depois de retirar um pouco do forno e polvilhar com um pouco de côco.

Eu não utilizei.

Uma delícia :)

12767494_10153789737534017_1416547523_n-horz.jpg

Bom apetite :)

publicado por Rosa Cristiana* às 08:25
25
Jan
16

Este ano a entrega do IRS relativo aos rendimentos de 2015, terá bastantes alterações, os prazos para entrega das declarações em papel ou pela internet altera e também existem novas regras para as deduções à coleta.

Até 15 de Fevereiro de 2016 devem consultar, registar e confirmar as faturas no Portal das Finanças.

Assim depois de reunir todos os documentos, devemos confirmar que estão registados no site, caso não estejam devem registar com todos os dados corretos.

Devemos também confirmar que não temos faturas pendentes de confirmação e dar as informações corretas caso haja alguma pendente.

Verificar se as faturas estão associadas ao setor de despesa adequado, podem sempre alterar caso não esteja correto.

Este procedimento tem que ser feito por cada titular de despesas do agregado familiar, incluindo os dependentes, assim não se esqueçam de pedir a senha ou registarem-se no site a tempo para conseguirem confirmar tudo.

Depois, de 1 a 15 de Março de 2016 devem consultar no endereço adequado IRS Portal das Finanças, também por cada titular, as despesas que serão contabilizadas na declaração de IRS, verificando os valores por cada setor de despesas e, caso necessário reclamando as não conformidades.

Já sabem que entregar a declaração pela internet tem bastantes vantagens, além de poupar tempo em deslocações e de facilitar com pré-preenchimento ainda recebem o reembolso mais rápido.

Assim não se esqueçam de pedir as senhas ou verificar se estão corretas as que têm e confirmar os documentos antes de 15 de Fevereiro de 2016.

publicado por Rosa Cristiana* às 09:16
12
Jan
16

Mais um ano que passou e outro que começa é inevitável fazer balanços do que aconteceu no ano anterior, seja balanços das nossas despesas, ou balanços das receitas e também um balanço do saldo que conseguimos apurar ao final do ano e de todas as poupanças conseguidas.

Também é altura de fazer um balanço e ver se afinal compensa ou não responder a inquéritos e obter alguma contrapartida por isso, a minha conclusão é que compensa, pois sempre somos recompensados, ao final deste ano, na totalidade de todos os sites em que participo obtive 121€, dos quais 15€ optei por doar a uma instituição.

Recebi ainda algumas ofertas da Nicequest, um telefone "fixo" portátil, a PT queria 25€ por um e vendo o preço em várias lojas não eram mais baratos, este foi a custo zero, e ainda umas forminhas para bombons, não tirei fotos, mas um dia destes partilho.

Assim, continuo a recomendar os sites que pagam por darmos a nossa opinião, através de inquéritos.

Os que mais enviam inquéritos neste momento são o GlobalTestMarket (tenho recebido com muita frequência e mesmo que não seja seleccionada recebo sempre um miminho de 5 Marketpoints pelo interesse) e também o Nicequest (mesmo que não sejamos seleccionados ou se demorarmos a responder e formos tarde recebemos sempre alguns pontos caracol que depois poderemos trocar por prémios), infelizmente neste site só podemos fazer convites em situações pontuais quando eles dão essa oportunidade, podem deixar o V/ contacto neste formulário, assim quando puder fazer convites enviarei os vossos dados.

Depois recebo com menos frequência mas também com valores interessantes da Painel de Questionários, SuaOpiniaoConta, Opiniões de Valor e Netsonda.

O site SuaOpiniaoConta faz ainda todos os anos um Inquérito Nacional do Consumidor, bastante longo, mas que podem ser feito em várias partes, onde recebemos um cheque presente no valor de 10€ em apenas um inquérito.

A Multidados voltou à carga e tenho recebido alguns e-mails a avisar de novos inquéritos.

No entanto depende sempre do perfil de cada um, devem é ter sempre os perfis completos para que sejam convidados mais frequentemente.

P.S. Para mais informações de cada site, basta carregarem no link no nome de cada um 

publicado por Rosa Cristiana* às 14:20
07
Jan
16


9366088_VwMpy.png 

Um ano novo que se inícia, depois de definir os objetivos, entre eles está sempre implícita a poupança, como não podia deixar de ser.

Assim hoje deixo-vos uma sugestão para que consigam um ter "um pé de meia" no final do ano.

Existem várias formas de poupar, com os salários baixos e muitas despesas, colocar dinheiro de lado todos os meses é cada vez mais um desafio.

No início de cada ano, tenho visto em vários blogs a sugestão de cumprir o desafio das 52 semanas, que consiste em colocar num mealheiro todas as semanas do ano o valor correspondente ao número da semana, semana 1, 1€, semana 5, 5€, semana 51, 51€, semana 52, 52€. O valor que se consegue poupar é muito convidativo, 1.378,00€, mas é também um desafio muito díficl de cumprir pela maioria das famílias, mesmo com algumas adaptações à realidade de cada um.

Assim convido-vos a fazer um desafio diferente, mais fácil de cumprir, para conseguirem um pé de meia em 2016, é sempre importante ter algum valor de lado para imprevistos:

Guardarem no início de todos os meses 10% do rendimento mensal

Também este desafio pode ter várias adaptações à realidade de cada um:

- Optei por indicar no início do mês, porque, se tiverem um salário fixo é a altura ideal para colocar esse valor de lado, pois infelizmente muitas famílias chegam ao final do mês com saldo zero ou negativo.

- Se vos vai fazer falta esse valor? Aí está o espírito do desafio, fazer um pequeno esforço para o conseguir cumprir, fazendo pequenos "cortes" que se traduzirão em poupança, não faltam dicas aqui no blog para isso.

- Se o vosso salário não for fixo, podem optar por estipular um valor igual para colocar de lado todos os meses, dentro das vossas possibilidades.

- Se conseguirem colocar mais a meio do ano ou no fim, o objetivo poderá ficar cumprido ainda mais cedo :)

- Fazendo umas continhas rápidas, fazendo contas ao salário mínimo, 10% de 500€ dá 50€ por mês, que multiplicado pelos 12 meses do ano dá 600€, não é uma poupança tão alta como a que referi em cima, mas grão a grão enche a galinha o papo e penso que será bem mais fácil de cumprir

- Se forem um casal e conseguirem colocar de lado 50€ por cada um já dará 100€ por mês, 1.200€ por ano.

- Afinal não vale propormo-nos a um objetivo que sabemos à partida que não conseguimos cumprir, é desmotivante

Quem alinha em participar neste desafio? Um pé de meia para 2016? 

publicado por Rosa Cristiana* às 09:48
04
Jan
16

Início do ano é altura ideal para definirmos os nossos objetivos para o novo ano que agora se inicia.

 

O ideal é definir objetivos o mais concretos possível e que consigamos cumprir.

Aqui ficam alguns dos meus objetivos para 2016:

- Ser feliz e fazer os outros felizes (inclui ser mais solidária)

- Poupar mais na alimentação, aproveitando sempre as sobras e eliminando o desperdício alimentar com novas ideias de sobras e congelando também o que não vou usar de imediato.

- Fazer finalmente o planeamento das refeições através de menus semanais ou quinzenais, tendo em conta o que tenho em casa (inventário do congelador e da despensa) e os folhetos semanais (que vou acompanhando no Sapo Promos).

- Manter uma alimentação mais saudável, eliminando mesmo alguns alimentos prejudiciais (no último ano não consumi refrigerantes e tenho-me sentido muito bem), sumos apenas bem caseirinhos.

- Reutilizar mais evitando também desperdício de vários materiais que utilizamos diariamente (fazendo alguns projetos diy que já tenho em mente).

- Escrever mais no blog e partilhar mais as minhas experiências pessoais de poupança.

E vocês já definiram os objetivos para este novo ano? Partilhem as vossas ideias e objetivos.

E Boas Poupanças 

publicado por Rosa Cristiana* às 08:55
mais sobre mim
Dica da Semana

Publicidade
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO